Turismo ajuda Grécia a bordejar a crise

Postado por:
em: 20/09/2010
Categoria(s): grandes destinos

Governo grego cria portal para ajudar no planejamento de viagens; promoções também atraem mais visitantes.
País que em 2009 viu seu PIB declinar 2,6% aposta no aumento doturismo para driblar a depressão econômica.

A crise está nas ruas, nos restaurantes e lojas e na conversa com qualquer grego. Mas não se intimide. A hora é excelente para ir à Grécia.

Atenas
A indústria turística, que emprega 1 em cada 5 gregos e responde por 20% do PIB do país, tenta se recuperar dos baques com promoções e com tratamento caprichado.

Bom para o visitante e para a economia local. A crise global fez encolher 15% o turismo no país em 2009, e a expectativa do Ministério do turismo para este ano é de impacto semelhante.

Muitos visitantes se assustaram após os protestos do primeiro semestre, motivados pelo duro anúncio de cortes e demissões pelo governo. Embora a violência tenha sido localizada, deixou três mortos e se repetiu em manchetes de jornais.

As greves, que chegaram a paralisar o serviço de balsas tão crucial para quem visita as ilhas, pesaram contra.

O turista, no entanto, não tem motivo para ressentir. Os protestos arrefeceram. E os preços baixaram.

É possível encontrar um bom hotel em Atenas e nas principais ilhas por cerca 120 a diária do casal na alta temporada. Em Creta ou no interior esse valor cai pela metade. Uma boa refeição com uma taça de vinho fica entre €15 e €30 por pessoa.

O governo, que no ano passado viu seu PIB cair 2,6% sabe que o alívio para a crise pode vir dos turistas.
Criou um portal para ajudar no planejamento de viagens ao país (www.gnto.gr/portal/site/eot) e tem promovido campanhas de incentivo ao turismo.

Em Atenas, abriu o Novo Museu da Acrópode (www.newacropolismuseum.gr/eng), com uma curadoria impecável e a reivindicação de que o British Museum desenvolva as peças que lord Elgin levou a Londres.

Desde a Olimíada no país, em 2004, a infraestrutura para o viajante tem sido bem mantida. Os hotéis se multiplicaram e as estradas estão em bom estado, assim como os aeroportos.

Na estrada

O maior problema para quem quer conhecer o país além dos clichês é a malha aérea – ou mesmo terrestre – focada em Atenas e nas ilhas mais conhecidas. Faltam conexões diretas.

Mesmo locais importantes como Olímpia ou Meteora – paraíso de alpinistas no norte do país, com seus monastérios do séc. 13 fincados em picos de rocha escura esculpidos por milênios de erosão – só podem ser alcançados de carro ou ônibus.

Por €600 pode-se contratar um táxi e passar dois dias entre Atenas e Meteora, com paradas a escolher ao longo dos quase 400 km que ligam um local ao outro (www.greecetravel.com/taxi). O preço é salgado para quem vai sozinho ou em duas pessoas, mas compensa se o grupo tiver três ou quatro integrantes.

As vantagens são a personalização do roteiro e o guia versado não só na história grega antiga mas também na moderna e contemporânea.

Não que seja preciso ir de Táxi. A Ktel, cooperativa nacional de ônibus, serve todo o território, apesar de exigir paciência no planejamento.

Alugar um carro é fácil, embora a opção peça sangue-frio: as estradas são boas, mas os motoristas ignoram limites de velocidade.
O resultado é que todas as utopistas que a reportagem conheceu são perfiladas por miniaturas de capelas, que marcam locais de acidente.

Fique atento aos preços: grandes locadoras cobram mais caro de quem tenta reservar o veículo na internet. Habilitações brasileiras são aceitas em todo o território.

Fonte: FOLHA

Conheça os principais roteiros da Grécia:

> Grécia

> Atenas, Mykonos e Santorini 2010 – 9 dias